Caoa afirmou que pretende produzir carros no Taboão

Imagem ilustrativa da notícia: Caoa afirmou que pretende produzir carros no Taboão

São Paulo – O empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade afirmou que já manteve conversas com chineses interessados em produzir, junto com o Grupo Caoa – do qual é fundador – carros na fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, SP. Após uma reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília, DF, Caoa conversou com jornalistas.

 

Disse ele à Agência Brasil: “Já estivemos com os chineses que estão interessados em fabricar carros conosco lá. Existe uma grande possibilidade de a Ford voltar a funcionar, absorvendo todos os empregos”.

 

Segundo Caoa as negociações com a China estão em curso e que é preciso, ainda, conversar com o sindicato dos trabalhadores e fornecedores. Ele não confirmou aos jornalistas se o grupo chinês seria a Chery, com quem mantém parceria e produção aqui no Brasil. O empresário condicionou, também, a negociação à aprovação da reforma da Previdência, em curso no Congresso.

 

“O que nós queremos do governo é que resolva o problema da Previdência e dessa crise que o Brasil está passando, para termos confiança de fazer o investimento. Tudo no Brasil hoje está dependendo muito da Previdência. Se a Previdência passar, nossos investimentos se multiplicarão”.

 

A reunião com Guedes contaria também, a princípio, com a presença do governador João Doria, que precisou cancelar sua participação por causa de uma viagem a Nova York.

 

Em fevereiro a Ford anunciou que fechará a sua operação de caminhões no Brasil e, por consequência, a fábrica do Taboão, em São Bernardo do Campo, onde produz a linha Cargo e o Fiesta. Dias após o anúncio, Doria afirmou que ajudaria a encontrar um comprador para a unidade, como forma de manter os empregos da região.

 

O governador criou também o IncentivAuto, programa que dá descontos de ICMS a fabricantes de veículos que investirem e contratarem no Estado. Caoa disse à agência Reuters que espera ser beneficiado pelo programa, caso realmente invista em SBC.

 

À Folha de S. Paulo, Caoa afirmou que a reunião não tinha como objetivo pedir auxílio à indústria automotiva. O tema central da conversa, segundo ele, foi a reforma da Previdência.

 

Fotos: Divulgação.