Renault cortará 15 mil funcionários em todo o mundo

Imagem ilustrativa da notícia: Renault cortará 15 mil funcionários em todo o mundo
Foto Jornalista Redação AutoData

Por Redação AutoData

CompartilheEmpresa
29/05/2020

São Paulo – Depois da Aliança e da Nissan foi a vez da Renault apresentar seu projeto de redução de custos, que envolve economia estimada de mais de 2 bilhões de euro em três anos, o corte de cerca de 15 mil postos de trabalho em todo o mundo, o congelamento de projetos de expansão no Marrocos e na Romênia e a readequação do tamanho na Rússia.

 

Na apresentação do presidente do conselho, Jean-Dominique Senard, e da CEO interina, Clotilde Delbos, em Boulogne-Billancourt, na França, nada foi dito especificamente sobre a América do Sul e o Brasil. Os planos da Aliança Renault Nissan Mitsubishi, porém, designam a Renault como a líder na região dentro da estratégia líder-seguidor desenvolvida pela aliança.

 

Do corte de empregos 4,6 mil serão na França e 10 mil em outros países – mas, segundo a Renault, não envolve grandes demissões diretas: “O grupo se compromete a assegurar que isso será feito por meio de um diálogo exemplar com os parceiros sociais e os governos locais. Este projeto de ajuste de pessoal se baseará em medidas de reciclagem profissional, mobilidade interna e demissão voluntária, estendendo-se por três anos”.

 

A Renault pretende acelerar a adoção de ferramentas da Indústria 4.0 em suas fábricas, acelerar a digitalização na engenharia e redimensionar sua capacidade produtiva – de 4 milhões de veículos em 2019 para 3,3 milhões até 2024. Projetos de aumento de capacidade no Marrocos e na Romênia foram suspensos, será estudada uma reorganização na Rússia e um projeto de racionalização da produção de caixas de câmbio em âmbito global está previsto, algo que pode gerar impacto na operação de São José dos Pinhais, PR.

 

A parceria com a chinesa Dogfeng, como já anunciado, será desfeita. Na França estão em estudo quatro possibilidades de possível fechamento de fábricas, o que está gerando protestos, uma vez que o governo está considerando conceder empréstimo para a empresa.

 

Foto: Divulgação.