Receita das autopeças cresce 25,1%

Imagem ilustrativa da notícia: Receita das autopeças cresce 25,1%

As empresas fabricantes de autopeças brasileiras aresentaram crescimento de 25,1% no faturamento líquido de janeiro na comparação com dezembro, mostra a pesquisa conjuntural divulgada na terça-feira, 27, pelo Sindipeças. De acordo com o comunicado da entidade, "devido ao menor número de dias úteis no último mês do ano, alguma melhora nos indicadores de janeiro era esperada, porém o crescimento em dois dígitos revelou excepcional dinamismo para o setor".

 

Na comparação interanual houve alta de 31,4%, reforçando o cenário de recuperação da indústria de autopeças no Brasil.

 

Para a variação acumulada em doze meses o crescimento do faturamento atingiu 23,4%. O desempenho demonstrado pelas produtoras de autopeças reflete os melhores números da indústria automobilística em 2017, que devem se repetir este ano. Diz o comunicado:

 

"Vale notar que a produção automotiva encerrou o ano com expansão de 46,5% frente a 2016. Excetuando-se a fabricação de ônibus, que regrediu 6,4%, as demais categorias apresentaram incremento da produção em dois dígitos. Em janeiro, por seu turno, os primeiros resultados do setor não decepcionaram e trouxeram expressivas variações tanto na passagem mensal, janeiro contra dezembro, quanto na comparação em relação a igual mês do ano anterior."

 

As vendas para montadoras, principal destino de comercialização das autopeças, com 61% de participação, avançou 24,5% frente a dezembro. Na comparação interanual houve acréscimo de 33,7% e no acumulado de doze meses de 33,4%: "Em outras palavras, isto significa que os fabricantes de autopeças faturaram, em média, cerca de 30% a mais em janeiro deste ano do que haviam faturado em igual mês do ano passado".

 

O canal da reposição apresentou, por sua vez, crescimento de 27,8% na comparação mensal, de 21,1% na passagem anual e de 9,7% no acumulado em doze meses: "Este mercado, que vivenciou momento positivo nos anos de crise, tem preservado o crescimento, embora a taxas decrescentes devido ao aumento das negociações com veículos novos".

 

Foto: Divulgação.