M-B: vendas de ônibus crescerão até 20%.

Imagem ilustrativa da notícia: M-B: vendas de ônibus crescerão até 20%.
CompartilheMontadora
26/03/2018

A divisão de ônibus da Mercedes-Benz projeta um mercado de até 14 mil unidades em 2018, alta de 15% a 20% com relação ao ano passado, e alguns fatores são responsáveis pelas suas projeções. Walter Barbosa, diretor de vendas e marketing de ônibus, acredita que a baixa taxa de juros atual, a taxa Selic, que está em 6,75% e tem projeção de cair para 6,5%, são indicadores positivos que ajudarão a movimentar o segmento.

 

“Outros fatores, como diversos modelos de financiamento atrativos, como CDC, leasing, Finame e Refrota, somados à projeção de alta do PIB, para 2,7%, e a inflação equilibrada nos fazem acreditar que o ano será bastante positivo. As eleições também ajudarão a movimentar o segmento, pois existe uma antecipação de compras do segmento urbano e do escolar, porque os municípios só podem fazer os pagamentos até julho.”

 

Com relação à projeção de alta para o mercado a menor expectativa da Mercedes-Benz é encerrar o ano com 52,5% de participação, mesmo índice do ano passado, o que representa alta no volume: “Ganhamos uma licitação do Seplag para o segmento de micros convencionais e entregaremos as 905 unidades solicitadas até julho, e essa venda ajudará na alta deste segmento e nos números da Mercedes-Benz ao longo do ano”.

 

Barbosa observou que a recuperação do mercado, no ano passado, atingiu crescimento de 10%. Dentro desse crescimento alguns segmentos se destacaram: “O escolar chegou a quase 2,5 mil unidades, alta de 300% com relação ao ano anterior, o rodoviário cresceu 50% e atingiu 1,4 mil unidades, os de fretamento e micro se mantiveram estáveis e o urbano não foi bem: com 5 mil unidades vendidas caiu 35%”.

 

Ele acredita que o mercado pode chegar a 22 mil unidades até 2023 e destacou que a meta da empresa é continuar com participação acima de 50%: “O crescimento deve ser gradativo ao longo dos anos e, quando estabilizar, ficará no patamar de 18 mil a 22 mil unidades, o que é muito bom, pois colocaria o Brasil na terceira posição do ranking mundial”.

 

“Acho difícil voltar a ser como foi em 2011 e 2012, com mais de 28 mil unidades vendidas, pois esse pico foi causado pelo PSI, com taxas de juros de 2,5% que fomentou demais o mercado e não deve voltar. Também houve uma antecipação de compra pela mudança do Euro 3 para o Euro 5, que influenciou esse volume”.

 

Investimento - A Mercedes-Benz anunciou, no ano passado, investimento de US$ 2,4 bilhões no Brasil para o período 2018-2022, que será destinado ao desenvolvimento de novas tecnologias, melhorias de produtos, projetos de melhoria de algumas unidades e modernização do campo de provas de Iracemápolis, SP.

 

Foto: Divulgação.