Comprador da Ford terá que investir mais R$ 1 bilhão no Taboão

Imagem ilustrativa da notícia: Comprador da Ford terá que investir mais R$ 1 bilhão no Taboão
Foto Jornalista  André BarrosFoto Jornalista Bruno de Oliveira

Por André Barros

e Bruno de Oliveira

CompartilheNegócios
23/05/2019

São Paulo – O eventual comprador da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, SP, precisará investir no mínimo R$ 1 bilhão além do valor aplicado na aquisição. Segundo o governador do Estado de São Paulo, João Doria, as regras previstas no IncentivAuto estão atreladas ao negócio e, logo, deverão ser obedecidas pelo novo administrador das operações no bairro do Taboão – e incluem, também, a contratação de ao menos quatrocentos trabalhadores e a manutenção dos atuais funcionários.

 

“Sem isso nem estaríamos sentando para conversar. Mas ao que tudo indica o investimento programado superará esse valor.”

 

Nesta quinta-feira, 23, o governador e seu secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles, se reuniram com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, proprietário do Grupo Caoa – um dos interessados na aquisição da unidade da Ford – para tratar do tema.

 

Após a reunião o governador revelou que a definição do acordo ficou para o fim de junho – na terça-feira, 21, ele estimara para os próximos quinze dias o desfecho da negociação coordenada pelo governo estadual: “Nossa expectativa é a de que até o fim de junho haja uma posição definitiva com relação à venda da fábrica com manutenção dos empregos diretos e os de toda a cadeia produtiva. São cerca de 25 mil postos de trabalho”.

 

Reafirmando o que disse em sua visita à fábrica da Scania, também em SBC, existem dois interessados em adquirir a unidade, no caso, o Grupo Caoa e “outro grupo que prefere se manter no anonimato”.

 

Apesar da presença do empresário do Grupo Caoa na reunião, Doria disse que a conversa com o ministro teve como pauta a apresentação de investimentos industriais em São Paulo, sobretudo os da indústria automotiva, como os da General Motors e Scania, recentemente anunciados, e Honda e Toyota.

 

Doria deu pistas de que as quatro empresas estão credenciadas a receber descontos no ICMS previstos no IncentivAuto, programa de fomento à indústria automotiva. Empresas que investirem mais de R$ 1 bilhão no Estado e gerarem ao menos quatrocentos novos postos de trabalho podem se credenciar a receber o incentivo – cuja regulamentação ainda não foi totalmente publicada.

 

Esta reunião de Doria, Guedes e Andrade fora inicialmente marcada para a segunda-feira, 13, mas, por problemas de agenda, o governador não compareceu. Após a reunião da quarta-feira, 23, o empresário declarou apoio “incondicional à reforma da Previdência”.

 

“Temos investido intensamente no setor automotivo para consolidar nossos sonhos e intenções de elevar e expandir a imagem da indústria automotiva brasileira para que ela seja reconhecida e admirada além de nossas fronteiras”, afirmou, em nota. “Nosso apoio e nossa confiança são absolutos, mas enxergamos na questão da reforma previdenciária um ponto crítico que pode destravar investimentos e tornar mais seguro o futuro dos cidadãos brasileiros. Temos certeza que o atual governo não está medindo esforços para atingir a melhor e mais justa solução em todas as questões que estão sendo discutidas para a aprovação da reforma”.

 

Foto: Divulgação.