Eaton busca novos clientes para transmissão automatizada

Imagem ilustrativa da notícia: Eaton busca novos clientes para transmissão automatizada
CompartilheFornecedor
30/05/2019

São Paulo – A Eaton busca novos clientes para suas transmissões automatizadas de seis marchas EAO-6106 e EAO-6206, que já equipam os caminhões leves Accelo, da Mercedes-Benz. Desenvolvida no Centro de Desenvolvimento de Transmissões Leves em Valinhos, SP, onde também é produzida desde dezembro, a caixa de câmbio demandou investimento – não divulgado – e novas contratações para a unidade.

 

Segundo Henrique Uhl, gerente de desenvolvimento de mercado e planejamento de produto da Eaton, a transmissão está sendo oferecida para sua carteira de clientes: “Já fornecemos outros componentes para diversas montadoras no Brasil e estamos analisando as oportunidades para ampliar a gama de clientes desta transmissão”.

 

O primeiro lote de transmissões automatizadas foi entregue para a Mercedes-Benz equipar sua linha Accelo. Uhl acredita que em torno de 15% da produção dos modelos, este ano, seja com o novo câmbio Eaton. Mas ele não arrisca projeções de volume por conta da instabilidade do mercado.

 

De todo modo, Uhl vê no uso de veículos para aplicações urbanas a maior demanda pelas novas transmissões. "Elas oferecem redução do consumo de combustível e menor desgaste da embreagem, pois são acionadas de forma automática, e não pelo motorista, que também desfruta de um maior conforto durante o trabalho".

 

Para produzir as novas transmissões a Eaton precisou adaptar a linha de Valinhos para montar o sistema de automação e promover testes. “A base desta caixa é igual à das mecânicas que já produzimos, porém fizemos alterações para aplicar e testar o sistema que aciona a embreagem e faz a troca de marcha”.

 

Mais adiante a Eaton pode, quem sabe, exportar as caixas de câmbio. "A nova transmissão foi desenvolvida no Brasil e para o Brasil, porém não descartamos possíveis oportunidades de vendas para outros mercados. No primeiro momento o foco está no País mas, futuramente, avaliaremos possíveis negócios em outros mercados”.

 

Foto: Divulgação.