Indefinição do Plano Safra preocupa setor de máquinas

Imagem ilustrativa da notícia: Indefinição do Plano Safra preocupa setor de máquinas
CompartilheBalanço da Anfavea
06/06/2019

São Paulo – A postergação do anúncio do Plano Safra 2019/2020, inicialmente programado para a quarta-feira, 12 – e ainda sem data definida – preocupa o vice-presidente da Anfavea, Alfredo Miguel Neto. Segundo ele o plano corre risco de não ser oferecido este ano, o que afetaria diretamente as vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias.

 

A ministra da Agricultura Tereza Cristina precisou adiar a divulgação porque o governo aguarda a liberação do crédito adicional para este ano solicitado ao Congresso, e que ainda não foi votado. O setor corre contra o tempo, porque em 1º de julho começa o próximo ano-safra.

 

“Esperamos que o novo Plano Safra seja anunciado até o dia 1º de julho. O atual acaba no próximo dia 30 e já não tem recursos disponíveis desde meados de abril”.

 

Segundo Miguel Neto há incertezas também com relação ao valor que será oferecido: em alguns momentos a ministra fala em uma redução e, em outros, diz que o aporte poderá ser ainda maior que o de 2018/2019. “Precisamos que o valor para esse ano seja superior aos R$ 194 bilhões do plano atual, que já não foram suficientes para atender todas as demandas dos produtores”.

 

Mesmo com falta de recursos, as vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias cresceram 3,7% até maio na comparação com o mesmo período do ano passado, chegando a 15 mil 488 unidades. Apenas em maio foram vendidas 3 mil 87 máquinas, queda de 5,8% ante maio do ano passado e de 0,7% com relação a abril.

 

A produção até maio foi de 20 mil 676 unidades, retração de 4,2% ante o mesmo período de 2018. O volume produzido no mês passado chegou a 5 mil 442 máquinas, alta de 18,6% na comparação com o mesmo mês do ano passado e de 23,2% ante abril.

 

Diferente das exportações de caminhões e automóveis que estão em queda por causa da crise econômica na Argentina, o setor de máquinas registrou alta de 0,8% nas vendas para outros países até maio, na comparação com o mesmo período de 2018 – porque depende menos do mercado argentino, de acordo com Miguel Neto. No mês passado foram exportadas 1 mil 213 máquinas, expansão de 15% ante maio de 2018 e queda de 3,6% ante abril.

 

Foto: Divulgação.