Fábricas mantêm ritmo de produção apesar da Argentina

Imagem ilustrativa da notícia: Fábricas mantêm ritmo de produção apesar da Argentina
CompartilheBalanço da Anfavea
04/07/2019

São Paulo – A produção de veículos encerrou o primeiro semestre com crescimento apesar do quadro adverso nas exportações, o que deverá refletir nas linhas instaladas no País. De janeiro a junho foram produzidos, segundo balanço divulgado pela Anfavea na quinta-feira, 4, 1 milhão 474 mil 268 unidades, o que representa volume 2,8% superior ao registrado em igual período no ano passado.

 

De acordo com o presidente Luiz Carlos Moraes o desempenho é visto como positivo diante das dificuldades enfrentadas pela indústria com a queda nos embarques para a Argentina, o principal parceiro comercial do Brasil na região. O ambiente é de otimismo, disse Moraes – tanto que a Anfavea não exerceu revisões em sua projeção de produção para o ano, mantida em 3 milhões 140 mil unidades:

 

"Temos que ser otimistas. Como em uma partida de futebol ainda resta o segundo tempo, o segundo semestre que começou agora em julho. Acreditamos que o volume que não foi absorvido pelo mercado externo será absorvido pelo mercado interno com base em análise da melhora do comportamento do consumo e dos negócios, a partir da aprovação da reforma da Previdência."

 

Se a queda nas exportações ainda não produziu reflexos nas linhas de produção outros fatores, no entanto, reduziram o ritmo das fábricas em junho. Concessão de férias coletivas, mudanças promovidas em algumas linhas e a menor quantidade de dias úteis fizeram com que o volume caísse 9% na comparação com o registrado em junho de 2018, chegando a 233 mil 113 unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões e chassis de ônibus.

 

A situação no mercado argentino também provocou redução de 1,7% no quadro de funcionários das fábricas instaladas no País, em junho. A retração foi atribuída ao fechamento do terceiro turno nas unidades Toyota de Sorocaba e Porto Feliz, SP e ao fim da produção na Ford em São Bernardo do Campo, SP. Isso fez com o que o número de trabalhadores em atividade caísse de 131,5 mil, em junho do ano passado, para 129,2 mil neste junho.

 

Foto: Divulgação.