Falta de previsibilidade derruba venda de máquinas

Imagem ilustrativa da notícia: Falta de previsibilidade derruba venda de máquinas
CompartilheBalanço da Anfavea
05/12/2019

São Paulo – O setor de máquinas agrícolas continua sofrendo com a falta de previsibilidade do governo com relação as linhas de créditos oferecidas no Plano Safra 2019/2020. De acordo com Alfredo Miguel Neto, vice-presidente da Anfavea, esse foi o principal problema do setor ao longo do ano, que gerou impacto direto nas vendas:

 

“Os fundamentos do setor agrícola estão bons, a China está pagando o preço premium pela soja, a produção de grãos batendo recorde. Era um cenário ótimo para o crescimento, porém a falta de previsibilidade do governo com as linhas de financiamentos refletiram diretamente nas vendas em 2019”.

 

De janeiro a novembro foram vendidas 40,4 mil máquinas, volume 6,8% menor do que o registrado no mesmo período do ano passado. Em novembro as vendas foram de 3,3 mil unidades, queda de 21,7% ante outubro e de 11,8% com relação ao mesmo mês do ano passado. Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, avaliou como ruim o desempenho do mês passado:

 

“Com esse resultado acredito que o setor de máquinas agrícolas será o único que não chegará perto da projeção que fizemos, que é de 46 mil unidades. Não será possível atingir esse volume”.

 

Para Neto, o ideal seria que o governo deixasse claro qual é o cenário: independente de ter o crédito ou não para os financiamentos, isso precisa ser transmitido de forma direta e clara para os agricultores, para que eles tenham tempo de se programar e comprar suas máquinas por outros meios: “O problema é que o setor fica esperando o governo liberar um aporte adicional e, enquanto isso, o mercado fica parado”.

 

Algumas linhas de financiamentos já esgotaram todos os recursos do Plano Safra 2019/2020, caso do Pronaf, que é dedicado aos pequenos produtores. No caso do Moderfrota, ainda existem recursos disponíveis, mas as taxas de juros oferecidas não são atraentes para os grandes e médios produtores. A expectativa do vice-presidente é a de que todo o volume de crédito do Plano Safra 2019/2020 se esgote até fevereiro do ano que vem.

 

Fotos: Divulgação.