Preço do caminhão subirá, diz presidente da Mercedes-Benz

Imagem ilustrativa da notícia: Preço do caminhão subirá, diz presidente da Mercedes-Benz
Foto Jornalista  André Barros

Por André Barros

CompartilheEmpresa
14/05/2020

São Paulo – A desvalorização de mais de 40% do real frente ao dólar desde o início do ano será repassada ao consumidor, informou Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil. A jornalistas, na quinta-feira, 14, o executivo disse que o preço do caminhão vai crescer:

 

“É uma tarefa difícil em cenário de mercado retraído, mas não há outra solução”.

 

As linhas de São Bernardo do Campo, SP, voltaram a produzir caminhões na segunda-feira, 11, com metade da força de trabalho – e Schiemer disse que o mercado não parou: “Setores como agronegócio, indústria química e gás, celulose, alimentos e bebidas e farmacêutico continuam comprando”.

 

Mas outros segmentos, como varejo e logística industrial, por exemplo, recuaram por causa da pandemia da covid-19. Por isso o executivo descartou a projeção de vendas para o ano, de 110 mil caminhões, e evitou arriscar algum palpite: “Não sabemos responder quando a economia retomará”.

 

O executivo criticou a condução do governo federal, que, na sua opinião, está prolongando a crise de saúde e postergando a normalização dos negócios. Segundo Schiemer a confiança do brasileiro só retornará quando houver segurança com a saúde.

 

Por isso o presidente da Mercedes-Benz não descarta novas rodadas de negociações com os sindicatos, a depender do caminhar do mercado brasileiro nos próximos meses. Na última ficou acertada a flexibilização da jornada e salários, com garantia de emprego até dezembro: “Quando negociamos havia a premissa de uma normalização no segundo semestre. Mas agora temos um ponto de interrogação”.

 

O ciclo de investimento da companhia, de R$ 2,4 bilhões de 2018 a 2022, segue seu curso, com algumas mudanças: Schiemer garantiu que o calendário de lançamentos já desenvolvidos se mantém, bem como as obras de modernização da fábrica de caminhões e chassis de ônibus no ABCD Paulista, mas novos projetos estão congelados. E colocou em dúvida a manutenção do cronograma do Proconve e outros marcos regulatórios: “Precisamos rediscutir”.

 

A covid-19 gerou, também, efeito na própria vida do executivo, que deveria estar de malas prontas para a Alemanha, onde assumiria novo cargo na Daimler. Com a situação o visto do novo presidente ainda não foi concedido e Schiemer ficará no cargo por mais algumas semanas.

 

Foto: Divulgação.