Setor de máquinas retorna à normalidade

Imagem ilustrativa da notícia: Setor de máquinas retorna à normalidade
CompartilheBalanço da Anfavea
06/06/2018

São Paulo - Alfredo Miguel Neto, vice-presidente da Anfavea para a área agrícola, durante encontro com a imprensa, em São Paulo, na quarta-feira, 6, disse que a produção de máquinas agrícolas e rodoviárias voltou ao seu ritmo normal a partir da segunda-feira, 4. Por causa da greve dos caminhoneiros as empresas tiveram que paralisar suas produções por sete dias, o que acarretou quedas em todo o setor.

 

“Todas as empresas conseguiram retomar a produção esta semana. Além da greve, o que também contribuiu para a queda foi o fato de o Plano Safra ainda não ter sido anunciado. Foi anunciado hoje e a partir disso a expectativa é a de que voltemos à normalidade.”

 

Em maio a produção de máquinas agrícolas e rodoviárias foi de 4 mil 641 unidades contra 5 mil 5 unidades em abril, queda de 7,3%. Com relação ao mesmo mês do ano passado a queda foi de 19,6%, com a produção de 5 mil 772 unidades.

 

No acumulado do ano foram produzidas 21 mil 646 máquinas contra 22 mil 656 na comparação com o mesmo período do ano passado, queda de 4,5%.

 

Vendas internas - Além da queda na produção a paralisação acarretou, também, queda em todos os índices: “Uma vez que não se tem o transporte adequado na mesma velocidade em que se produz, isso afeta também as vendas internas e exportações”.

 

As vendas internas de maio registraram queda de 20,6%: foram 3 mil 286 unidades contra  4 mil 139 em abril. Na comparação com o mesmo mês de 2017 houve queda de 15,8%. Este ano, de janeiro até maio, foram vendidas 14 mil 950 máquinas contra 16 mil 480 no mesmo período do ano passado, queda de 9,3%.

 

Exportações - No acumulado do ano as exportações somaram 5 mil 56 unidades, contra 4 mil 487 no mesmo período do ano anterior, alta de 12,7%. Em maio 1 mil 62 máquinas foram embarcadas contra 1 mil 110 em abril, queda de 4,3%. Na comparação com maio do ano passado, 1 mil 329 embarques, houve queda de 20,1%.

 

Foto: Divulgação.