Volkswagen aposta em crescimento de dois dígitos

Imagem ilustrativa da notícia: Volkswagen aposta em crescimento de dois dígitos
CompartilheMontadora
04/02/2019

São Paulo – O otimismo de Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América Latina, foi renovado ao fim de janeiro quando o mercado brasileiro de veículos apresentou crescimento de 10% sobre o primeiro mês do ano passado. Na segunda-feira, 4, em encontro com jornalistas na concessionária digital aberta em São Paulo que integra projeto piloto para a região, o executivo afirmou manter expectativa de aumento de 9% nas vendas em 2019 e 2020.

 

“Nós, da Volkswagen, trabalhamos com alta na casa dos dois dígitos”, afirmou, após justificar seu prognóstico para o mercado: “Ouço dos bancos que há muito crédito disponível, juros em patamares reduzidos e inadimplência baixa. Da rede de concessionárias ouço que a confiança do consumidor está de volta.”

 

Dentro dos muros da companhia o lançamento do T-Cross, primeiro SUV Volkswagen com produção nacional, será decisivo para manter o ritmo de crescimento acima da média do mercado. As vendas deverão começar nas próximas semanas.

 

A poeira também começou a baixar na Argentina, que passa por crise econômica que atingiu em cheio as vendas de veículos. Embora dados preliminares indiquem queda na casa de 50% nos emplacamentos de janeiro, comparado com o mesmo mês do ano passado, Di Si aponta a estabilidade com relação aos meses imediatamente anteriores: “O primeiro quadrimestre na Argentina foi de vendas em patamares historicamente altos. Acredito que a partir de abril, maio, o mercado argentino retome um crescimento, ainda que leve”.

 

Segundo o presidente da Volkswagen os estoques da companhia no mercado vizinho foram ajustados nos últimos meses, de modo que as fábricas brasileiras voltarão, ainda que aos poucos, a atender à demanda: “No último trimestre não enviamos nenhum carro para a Argentina”.

 

Outros mercados entraram no radar da empresa, que fechou 2018 com alta de 19% nas vendas para os países latino-americanos, excluídos Brasil e Argentina. Segundo Di Si, que citou Bahamas, Colômbia, Chile e Costa Rica, dentre outros com mercados pequenos mas que, somados, representam volume importante, as vendas nessa região, no geral, cresceram 6% no ano passado.

 

Foto: Divulgação.