Randon investe R$ 10 milhões em ampliação do Centro Tecnológico

Imagem ilustrativa da notícia: Randon investe R$ 10 milhões em ampliação do Centro Tecnológico
CompartilheEmpresa
21/11/2019

Caxias do Sul, RS -- Com a construção de nova área asfaltada de 53 mil m² o CTR, Centro Tecnológico Randon, torna-se o primeiro da América Latina a contar com área de dinâmica veicular. O avanço permitirá avaliações dinâmicas em veículos comerciais para desenvolvimento e homologação de sistemas de controle de estabilidade, demanda legal que passará a ser exigida para toda a frota brasileira a partir de 2022. A ampliação contará, também, com uma pista especial para testes de sistemas auxiliares de frenagem, o ABS.

 

A pista terá 300 metros de comprimento e 6 de largura, com áreas de escape para execução segura de manobras. A expectativa é a de que as obras estejam concluídas até o fim do primeiro semestre de 2020. Dentro da política ambiental da Empresas Randon o projeto de expansão conta com a devida e adicional compensação ambiental: desde sua concepção o espaço foi desenhado para comportar veículos comerciais de até 16 toneladas por eixo.

 

Ao fim da obra o centro estará capacitado para atender toda gama de veículos automotores e rebocados em circulação, incluindo os de passeio e as motos. De acordo com o diretor de tecnologia e inovação de produto da divisão autopeças da Empresas Randon, César Augusto Ferreira, “todo o complexo foi projetado, desenvolvido e estruturado para atender às particularidades de combinações de veículos de carga previstas pela legislação brasileira”.

 

As novidades chegam exatamente para antecipar-se ao atendimento de determinação legal que entrará em vigor por etapas e atingirá grau completo em 2024: a Resolução 641 do Conselho Nacional de Trânsito, que passará a exigir controle de estabilidade em toda a frota nacional, contou Ferreira: “A legislação prevê parâmetros rigorosos e manobras específicas para homologação dos veículos, incluindo semirreboques. São necessidades que estamos prontos para atender no CTR”.

 

Com investimento de aproximadamente R$ 10 milhões na ampliação o complexo de 87 hectares, que hoje conta com mais de vinte tipos de pistas, terá novas e melhoradas áreas para execução de ensaios dinâmicos. Outros R$ 3 milhões foram recentemente adicionados para incremento do laboratório estrutural, expandindo ainda mais a capacidade de testes para atendimento de montadoras e da Empresas Randon.

 

Parceria reforçada -- Decorrido pouco mais de um ano da sua parceria tecnológica para testes e validações Marcopolo e Empresas Randon ampliam acordo para desenvolvimento conjunto no Centro Tecnológico Randon. Desde a quarta-feira, 20, o CTR garante a Marcopolo uma área de sigilo para estudos avançados de engenharia para seus ônibus. Segundo o CEO da Marcopolo, James Bellini, "a ampliação da parceria está alinhada à estratégia da organização de foco na qualidade, inovação e competitividade”.

 

Para o CEO da Empresas Randon, Daniel Randon, a parceria demonstra a força da Serra Gaúcha como referência de um polo automotivo inovador: “Estamos aprimorando os recursos disponíveis e diminuindo custos com desenvolvimento, num processo colaborativo, exatamente como exigem os modernos modelos de negócios”.

 

A área, com total confidencialidade e acesso restrito, tem a estrutura tecnológica necessária para atender aos profissionais da Marcopolo envolvidos no processo de validação dos projetos. Disse o COO da divisão de autopeças da Randon, Sergio Carvalho, "que a sinergia das áreas técnicas já ocorre de forma intensa, a ponto de as empresas conseguirem transcender os propósitos inicialmente estabelecidos”.

 

Exemplo são os estudos de correlações estruturais e elaboração de testes que visam à celeridade na validação de subsistemas do veículo e que já se tornaram objeto de patente conjunta das companhias.

 

Luciano Resner, diretor de engenharia da Marcopolo, cita ainda a realização de ações internacionais para mapeamento de parâmetros em diferentes rotas. Outra iniciativa foram os estudos de correlações físico-virtuais para classificação de severidade para danos estruturais gerados pelo tráfego nestas diferentes vias, e desenvolvimento de testes em componentes: “O espaço, que será dedicado a estudos, inovações e desenvolvimentos avançados de engenharia, também estará aberto a visitas de clientes, reiterando o nosso compromisso com a qualidade e confiabilidade dos produtos que fabricamos”. 

 

Foto: Gelson Mello da Costa/Divulgação