Bosch e Mercedes-Benz investem em centro de desenvolvimento em Iracemápolis

Imagem ilustrativa da notícia: Bosch e Mercedes-Benz investem em centro de desenvolvimento em Iracemápolis
CompartilheInvestimento
02/12/2019

São Paulo – A Bosch e a Mercedes-Benz fecharam parceria e investirão R$ 70 milhões para construir um Centro de Testes Veiculares em Iracemápolis, SP, dentro do Campo de Provas da montadora. A iniciativa beneficiará não só as duas empresas e clientes Bosch, mas toda a indústria automotiva brasileira, uma vez que a intenção é abrir os cinco complexos que serão construídos – de pistas a escritórios – a terceiros por meio de locação.

 

À estrutura inaugurada no Interior paulista no ano passado serão agregados 400 mil m² para um complexo de escritórios e oficinas, uma pista oval de alta velocidade, uma de frenagem, uma de dirigibilidade e uma área de dinâmica veicular. Segundo Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil, será possível fazer testes que, hoje, só estão disponíveis em centros europeus, como de ESP para veículos comerciais.

 

Besaliel Botelho, presidente da Bosch América Latina, disse que a decisão de construir um centro de testes para validar desenvolvimentos da sistemista foi tomada em 2016. Começou, então, a busca por terrenos e, no percurso, apareceu a Mercedes-Benz: “O investimento será dividido em 50%-50%, assim como as despesas e recursos. Um consórcio foi montado para administrar o empreendimento, que deverá ser inaugurado em 2021”.

 

A parceria é inédita, mas segue uma tendência da indústria, global, de dividir investimento para pesquisa e desenvolvimento. Vai além: ao abrir as portas para terceiros, garante uma nova fonte de renda – embora tanto Botelho quanto Schiemer aleguem não ser este o principal objetivo. Para o presidente da Bosch “será aberto um espaço para ajudar a desenvolver a indústria automotiva nacional”.

 

O sigilo é garantido aos clientes, que podem ser tanto fabricantes de veículos leves como comerciais, de motocicletas e máquinas agrícolas, sistemistas e fornecedores de autopeças de todos os segmentos: boxes, oficinas e escritórios individuais permitirão manter a confidencialidade dos projetos. Segundo Schiemer o próprio campo de provas da Mercedes-Benz de Iracemápolis, já em operação, recebe projetos de terceiros para testes e nunca houve problemas.

 

O presidente da Mercedes-Benz observou, também, que a estrutura construída ficou fora do consórcio, embora esteja à disposição da Bosch – e outras empresas – para projetos de desenvolvimento.

 

Políticas automotivas – O Rota 2030 teve papel fundamental na decisão de construção deste novo centro, por conceder incentivos fiscais às duas empresas para P&D e traçar metas para eficiência energética e segurança veicular, algo que demandará mais desenvolvimento da engenharia local.

 

Mas não foi só o Rota, disse Schiemer: “O campo de provas de Iracemápolis nunca teria saído do papel se não fosse o Inovar Auto [política automotiva anterior ao Rota 2030]. Essa segunda fase só existe porque investimos na primeira etapa”.

 

Ambos ressaltaram a importância de se investir em pesquisa e desenvolvimento, algo incentivado por diversos governos no mundo – Schiemer citou Alemanha e Estados Unidos como exemplo e calculou que o campo de Iracemápolis reduziu em pelo menos um ano o tempo de desenvolvimento do novo Actros, mais recente lançamento da Mercedes-Benz: “Talvez conseguíssemos lançá-lo apenas para a próxima Fenatran, em 2021”.

 

Foto: Divulgação.