Mercedes-Benz contrata em Juiz de Fora

Imagem ilustrativa da notícia: Mercedes-Benz contrata em Juiz de Fora
CompartilheMontadora
25/10/2017

Depois de anunciar investimento de R$ 2,4 bilhões no Brasil de 2018 a 2022 a Mercedes-Benz providencia o aumento de seu quadro de funcionários: quarenta novos trabalhadores, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora e Região, para a linha de produção do caminhão Actros. Na semana passada, durante a Fenatran, o presidente Philipp Schiemer, já antecipava essas contratações: “Já estamos contratando trabalhadores para a fábrica de Juiz de Fora".

 

Schiemer não confirmou o número de vagas, o que foi feito pelo presidente do sindicato, João César da Silva: “Contrataram quarenta funcionários para trabalhar na linha de produção do Actros, com prioridade para quem participou do curso do Senai dentro da fábrica e para ex-funcionários que têm interesse em voltar. Também existe a possibilidade de serem abertas mais vagas em 2019, mas a empresa ainda não confirmou”.

 

A Mercedes-Benz mantém uma unidade do Senai dentro da fábrica de Juiz de Fora, MG, onde o curso dura um ano com a possibilidade de os alunos, depois, trabalharem mais um ano como aprendizes e serem contratados.

 

Mas para a fábrica de São Bernardo do Camnpo, SP, não existe a expectativa de novos empregos, contou Schiemer: “Estamos trabalhando, lá, com quadro de funcionários muito bem ajustado, produzindo em um turno e com a possibilidade de abrir o segundo sem precisar de novas contratações. Mas se o mercado requerer nós contrataremos”.

 

Atualmente 740 funcionários estão empregados na fábrica de Juiz de Fora, que produz apenas caminhões, operando em turno único, enquanto a de São Bernardo do Campo tem 7,7 mil, produzindo chassis de ônibus e caminhões. A maior parte do investimento anunciado para 2018-2022 será usada na fábrica de São Bernardo -- mas as duas serão modernizadas, assim como suas linhas de produtos. A Mercedes-Benz também se prepara para aumentar a conectividade de seus veículos e para se adequar às futuras mudanças nas normas de emissões de poluentes.