PSA quer de volta parte do dinheiro aplicado na compra da Opel

Imagem ilustrativa da notícia: PSA quer de volta parte do dinheiro aplicado na compra da Opel

O Grupo PSA, que engloba Peugeot, Citroën e DS, estaria pleiteando a devolução de metade do valor gasto na compra da Opel, negócio fechado com a General Motors em agosto por € 1,3 bilhão. Aparentemente a empresa quer o distrato após analisar, e confirmar, que os motores da Opel são ineficientes a ponto de tornarem inviável o alcance das metas de redução de emissões de CO2 estipuladas pela Comissão Europeia para entrar em vigência em 2021, de acordo com a Reuters.

 

Porta-voz da PSA disse, no início de novembro, que será necessário atualizar os modelos da Opel, com tecnologias mais eficientes em termos de consumo de energia, mais rápido do que o planejado para reduzir as emissões de CO2 antes que os novos limites sejam incorporados gradualmente de 2020 a 2021, respaldados por fortes penalidades.

 

Por causa disso o Grupo PSA acredita que a GM lhe deve mais de € 500 milhões e pretende dar início a uma reivindicação legal alegando que foi enganado sobre a estratégia de emissões da Opel. O grupo estaria buscando até € 800 milhões, de acordo com uma das fontes da Reuters, e as partes já estariam negociando um acordo.

 

Os fabricantes de automóveis estão se organizando para reduzir as emissões de carbono até 2021, quando os limites impostos pela cairão para uma média de 95 gramas por km. Hoje o limite é de 130 gramas por km. Investimentos estão sendo feitos em motores menores e novas tecnologias de powertrain, desde carros com bateria até híbridos recarregáveis, para que seja atendida a determinação.

 

As empresas que não atingirem as metas estabelecidas podem receber multa de € 95 por grama excedente de CO2 em cada unidade de veículos vendida.

 

Foto: Divulgação.