Câmbio antecipa plano de nacionalização da Caoa

Imagem ilustrativa da notícia: Câmbio antecipa plano de nacionalização da Caoa

São Paulo - A Caoa Montadora exerce plano de nacionalização de componentes como forma de proteção às variações do câmbio, que tem encarecido itens importados. A empresa teme que a elevação do dólar possa afetar, no curto prazo, o preços do veículos que fabrica e, assim, que venha a perder competitividade.

 

De acordo com o presidente Mauro Correia, estudar junto com seus fornecedores a produção local de alguns componentes era algo previsto desde 2017. No entanto, com a disparada recente do dólar, que elevou os custos de produção no Brasil e prejudicou a economia argentina, principal sócio brasileiro no setor automotivo, a Caoa decidiu antecipar e acelerar os trabalhos de nacionalização:

 

"Toda montadora busca aumentar o nível de conteúdo local nos veículos que produz. No nosso caso, contudo, que produzimos e vendemos veículos com nível elevado de tecnologia e, portanto, demandam peças eletrônicas importadas, vivemos uma situação sensível do ponto de vista da pressão que o dólar alto possa exercer no preço final".

 

A empresa havia informado que esperava a aprovação do Rota 2030 para dar sequência ao processo de localização de componentes, mas a situação do câmbio determinou que o planejamento fosse executado com mais agilidade, ainda mais em contexto no qual as montadoras cogitam elevar tabela de preços no segundo semestre. 

 

O executivo não citou quais componentes a empresa considera localizar a produção, mas afirmou que os sistemistas do tier 1 estão "otimistas com relação à ideia de atender a fabricante com a operação local e, também, com a escala que o mercado brasileiro proporciona atualmente". Uma das principais barreiras à localização de componentes é justamente a escala: quanto maior a demanda mais viável se torna a produção local porque é possível reduzir custos.

 

A empresa produz em Anápolis, GO, os modelos Hyundai Tucson, ix35 e os comerciais HD e HR. Como são modelos produzidos no Brasil há mais tempo, a tendência é a de que os novos modelos que a empresa planeja trazer ao mercado nacional, sobretudo após parceria costurada com a Chery, estejam na pauta de nacionalização.

 

Foto: Divulgação.