Exportações têm pior mês desde 2016

Imagem ilustrativa da notícia: Exportações têm pior mês desde 2016
CompartilheBalanço da Anfavea
06/02/2019

São Paulo – O trágico início de ano no mercado argentino em termos de vendas internas golpeou as exportações das fabricantes instaladas no País, em janeiro. Os embarques de veículos produzidos aqui ao principal parceiro econômico na região, na comparação com janeiro do ano passado, caíram praticamente pela metade: as 15 mil 570 unidades exportadas no mês representam 49,4% a menos do que foi exportado em 2018.

 

O décrescimo no volume de vendas ao mercado vizinho refletiu nos números do setor, divulgados pela Anfavea na quarta-feira, 6, no que diz respeito ao comércio bilateral de veículos. As 25 mil 34 unidades exportadas pelo País em janeiro representam o pior resultado mensal desde janeiro de 2016, quando foram exportadas 23,8 mil unidades. O volume registrado no mês passado foi 46% menor do que o visto em janeiro de 2018.

 

Do total enviado pelas montadoras ao Exterior, 24 mil 166 unidades corresponderam a veículos leves, retração de 45%. Os caminhões exportados somaram 520 unidades, 72% a menos. Queda também no segmento de ônibus, 39,7% a menos, com 348 unidades exportadas.

 

De acordo com o presidente Antonio Megale as montadoras seguem na corrida por novos mercados, mas nada que consiga compensar as perdas de volume no mercado argentino: “As vendas na Colômbia voltaram a crescer, foram maiores do que as ao Chile, e isso é importante porque dá alternativa ao setor. O país andino é um parceiro importante que vem de retomada de crescimento após período de forte crise interna”.

 

No caso do México, com quem o Brasil também mantém acordo bilateral no setor automotivo, a participação das exportações subiu de 8% para 20%.

 

Em valores as exportações atingiram US$ 712 mil em janeiro, valor 0,6% menor do que o registrado em dezembro e 29,1% abaixo do registrado em janeiro de 2018, quando o setor superou US$ 1 bilhão.

 

Foto: Divulgação.