Exportações só quebram recordes

Imagem ilustrativa da notícia: Exportações só quebram recordes
CompartilheBalanço da Anfavea
06/12/2017

As exportações de veículos seguem batendo recorde de vendas, com 700 mil 893 unidades comercializadas no acumulado do ano até novembro, ante 457 mil 345 em período igual do ano passado, alta de 53,3%, segundo os dados divulgados pela Anfavea, na quarta-feira, 6.

 

A expectativa da entidade era encerrar o ano com 745 mil veículos exportados, mas, segundo o presidente Antonio Megale esse volume será superado: “Já ultrapassamos as 700 mil unidades e, com a média mensal perto de 60 mil veículos vendidos para outros países, fecharemos o ano com mais exportações do que esperávamos”.

 

Caso dezembro mantenha a média do ano as exportações podem superar os 760 mil veículos: “As exportações do ano serão recorde histórico e o acordo com a Colômbia não saiu para ajudar esse volume mas esperamos que seja aprovado até o fim do ano”.

 

Considerando apenas novembro as exportações chegaram a 73 mil 73 unidades, sendo o novo recorde mensal. Houve crescimento de 28,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado, quando foram comercializadas 56 mil 722 unidades. Na comparação com o mês anterior, quando foram exportados 61 mil 554 veículos, o incremento foi de 18,7%.

 

Vendas por países - Das 700 mil 893 unidades exportadas aproximadamente 70% foram para Argentina, para o México com 12%, Chile e Uruguai, com com 4% cada, Colômbia com 3% e Peru com 2%.

 

Caminhões - As exportações de caminhões somaram 26 mil 140 unidades até novembro, contra 19 mil 114 em período igual do ano passado, alta de 36,8%. A expectativa é a de que, com as exportações de dezembro, o segmento quebre o recorde histórico.

 

Em novembro o volume exportado foi de 2 mil 302 caminhões contra 2 mil 348 no mês anterior, queda de 2%. Na comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram exportadas 2 mil 206 unidades, houve crescimento de 4,4%.

 

Os principais destinos dos caminhões nacionais são Argentina, com 58%, Chile com 12%, Peru e Rússia, com 7%, África com 4% e Uruguai com 2%, aproximadamente.

 

Foto: Divulgação.