Sindipeças projeta 180 mil empregos em 2019

Imagem ilustrativa da notícia: Sindipeças projeta 180 mil empregos em 2019

São Paulo – O setor de autopeças deve terminar o ano com 175 mil funcionários e, em 2019, o número de postos de trabalho chegará a 180 mil, segundo projeção apresentada pelo Sindipeças no seminário de eletromobilidade da Anfavea, realizado na terça-feira, 28, em São Paulo. O aumento da oferta de trabalho acompanha o crescimento do faturamento esperado: em 2018 pode chegar a R$ 89 bilhões, 14% a mais do que a de 2017. Para 2019 a entidade projeta faturamento de R$ 97 bilhões, o que significará alta de 8,4%.

 

De acordo com Gábor János Déak, ex-presidente da Delphi e conselheiro do Sindipeças, as projeções refletem o aumento da produção desde o ano passado. O setor de autopeças, recuperando-se da queda iniciada em 2013, estava ocioso e a recuperação iniciada no ano passado acabou por ocupar parte da capacidade.

 

O aumento dos postos de trabalho, de acordo com Déak, significa que a demanda voltou a crescer nas indústrias que fornecem componentes:

 

“O setor de autopeças passa a sentir os resultados da recuperação das vendas em um momento posterior ao das fabricantes de veículos, sobretudo dentro das médias e pequenas empresas. Com aquecimento das vendas, e negociações com as montadoras, as empresas produtoras de autopeças passaram a confiar em um cenário que justifica investimento e consequente crescimento do faturamento”.

 

Dados do Sindipeças mostram que o setor perdeu 67,5 mil vagas de trabalho de 2011 a 2016, período em que se acentuou a crise no mercado interno de veículos. Ainda que as projeções apontem para abertura de mais vagas até 2019, a quantidade não deverá ir além do patamar esbelecido para 2019. O aumento da automação das indústrias e o volume de produção esperado para os próximos anos são apontados como fatores de estabilização do nível de emprego no setor.

 

O Sindipeças espera que, até 2023, a produção de veículos seja de 3,7 milhões de unidades/ano, o que, caso se confirme, representa a volta do setor aos níveis de produção de 2013.

 

Foto: Divulgação.