Quase centenária, Citroën pavimenta o futuro

Imagem ilustrativa da notícia: Quase centenária, Citroën pavimenta o futuro
CompartilheMontadora
27/09/2018

São Paulo – É a quarta vez em quatro anos que a britânica Linda Jackson, presidente mundial da Citroën, visita o Brasil. Ela brinca que, a cada visita, o cenário político está diferente. Desta vez, em meio ao fervor da eleição presidencial, a executiva veio acompanhar de perto as movimentações da filial para o lançamento de seu mais importante produto nos últimos anos, o SUV C4 Cactus.

 

As expectativas criadas com o modelo não são modestas: 50% das vendas da Citroën em 2019, responsável por fazer dobrar o volume comercializado da marca no mercado brasileiro. Jackson acrescenta: o C4 Cactus inicia uma nova fase da Citroën por aqui, seguindo o planejamento global.

 

A partir do Cactus, todos os modelos Citroën serão globais, com características regionais. Segundo Jackson, oito silhuetas guiarão os engenheiros e designers da companhia. Uma nova, antes exclusiva para o mercado chinês, será apresentada nos próximos dias no Salão de Paris, na França, visando ao mercado europeu: o C5 Aircross – sua chegada ao Brasil também é esperada, embora não confirmada pela executiva.

 

Todos estes novos modelos obedecerão a dois princípios: um design exclusivo – “queremos ser diferente dos outros” – e conforto acima do padrão, criado não apenas pela configuração dos assentos e da suspensão, mas também pela alta oferta de conectividade nos veículos.

 

A Citroën quer também ocupar bytes dos smartphones de seus clientes, com o Citroën Advisor, uma ferramenta que dá notas aos produtos e serviços da marca, e o My Citroën, aplicativo que permite acompanhar o desempenho do seu carro, como consumo, desgaste de peças, além de controlar o sistema de som e mapas pelo telefone. A companhia também está de olho em sistemas de compartilhamento de veículos, incluindo uma espécie de Airbnb automotivo – quando o seu Citroën não estiver sendo usado por você, outra pessoa poderá usá-lo e te remunerar por isso.

 

Segundo a executiva, a partir de 2020 todos os lançamentos da marca terão opções de motor a combustão, híbrido e híbrido plugin. “Em 2025, 100% do nosso portfólio terá todas essas opções de motorização”.

 

Ao seguir essas premissas a empresa busca ganhar mercado fora da Europa, que ainda responde por mais de 70% de suas vendas. Este ano a projeção é alcançar 1,2 milhão de unidades, crescimento próximo de 10% sobre o ano passado, com 26% das vendas fora do mercado europeu. Em 2023, com 1,9 milhão de unidades vendidas, 55% das vendas viriam dos mercados internacionais – a América Latina, que este ano responderá por 6%, ficará com 10% daqui a cinco anos.

 

Acompanhar os planos para esse salto da marca no mercado latino-americano foi outra das missões de Jackson, que conheceu o planejamento estratégico da filial brasileira para 2019. O ano que vem será especial para a Citroën: é a celebração de seu centenário.

 

Foto: Divulgação.