Sistemistas esperam crescimento mediano em 2019

Imagem ilustrativa da notícia: Sistemistas esperam crescimento mediano em 2019
CompartilheCongresso AutoData 2019
16/10/2018

São Paulo – As empresas sistemistas e fabricantes de autopeças acreditam em crescimento do mercado automotivo em 2019, ainda que em índice mais modesto ante aquele previsto para este ano, tanto no que diz respeito ao mercado interno quanto produção. O argumento principal para este quadro: ainda que existam fatores positivos no horizonte, como manutenção da oferta de crédito, controle da inflação e juros baixos, incertezas na política e a crise Argentina reduziram as expectativas iniciais.

 

A expectativa foi apresentada em painel que reuniu empresas do segmento no segundo dia do Congresso AutoData Perspectivas 2019, realizado em São Paulo, Capital, na terça-feira, 16.

 

Para Marcello Lucarelli, diretor da unidade de veículos comerciais da Continental, no segmento de automóveis e comerciais leves em 2019 haverá crescimento de 8% ante o volume produzido no Brasil em 2018, o que, representaria volume em torno de 2,9 milhões de veículos. No Mercosul, somado, a projeção da empresa aponta 3,6 milhões ante 3,4 milhões neste 2018, ou seja, quase 5%. Para a produção de caminhões e ônibus, também considerando o total do Mercosul, haverá crescimento de 2%: de 128 mil deste ano para 131 mil unidades.

 

“Construímos o orçamento para o ano que vem com base em cenário de crescimento conservador, já que existem incertezas no horizonte que podem produzir reflexos nos nossos números”.

 

No caso da Eaton o nível de crescimento na produção projetado para o ano que vem também é de um dígito: 5% acima deste ano no que se refere a veículos leves. O porcentual é menor do que o esperado na comparação 2018-2017: 7%.

 

A redução do ritmo da produção será ainda mais relevante no segmento de caminhões e ônibus, estima a Eaton, que calcula elevação de 22% neste ano frente a 2017 e 8% para 2019 ante 2018. Segundo Amaury Rossi, diretor de negócios, contribuirão para este quadro “menores investimentos em infraestrutura, crise argentina e endividamento das prefeituras”.

 

As projeções da Bosch reforçam a expectativa por um 2019 de crescimento mediano. Para Besaliel Botelho, presidente, este ano deve fechar com crescimento de 8% na produção, índice que para o ano que vem deverá fechar em 5%. O executivo, de qualquer maneira, classificou o cenário à frente como positivo:

 

“Estamos vivendo um momento bom e vamos começar 2019 no mesmo ritmo que imprimimos este ano. O mercado absolverá o crescimento das montadoras e o crédito estará disponível”.

 

Foto: Rafael Cusato.