Soluções Usiminas une chapas de diferentes espessuras

Imagem ilustrativa da notícia: Soluções Usiminas une chapas de diferentes espessuras

São Paulo – As montadoras perseguem tecnologias que aprimoram a eficiência energética dos seus novos veículos. Essa busca para atender às exigências do mercado extrapola os projetos de motores compactos que consomem menos combustível – a redução passa também por estruturas metálicas mais leves, que refletem no consumo. Um exemplo recente é o da nova geração do Toyota Corolla. Afora o powertrain híbrido e bicombustível, a equipe que desenvolveu o veículo considerou processos que pudessem gerar uma estrutura mais leve. Neste caso a empresa optou por tecnologia fornecida pela Soluções Usiminas em sua fábrica de Taubaté, SP, a taylor blank.

 

Na unidade são cortadas as chapas de aço beneficiadas pela própria Usiminas, peças que compõem partes estruturais do novo Corolla. O que reduz o peso do veículo é a soldagem a laser que une as chapas com outras mais finas, processo por meio do qual é possível construir conjuntos mais leves. Essa pré-montagem segue para a fábrica da Toyota em Indaiatuba, SP, onde é feita a montagem final.

 

Segundo Djalma Barros, diretor industrial da Soluções Usiminas, o processo aplicado no Toyota cria partes e peças mais resistentes porque “combina também, no mesmo conjunto, chapas de aço com durezas e espessuras distintas. No processo mais antigo havia adição de materiais na solda, o que tornava inviável a combinação de materiais. Com o laser as peças são fundidas umas nas outras”.

 

No caso do Corolla, disse Barros, a estrutura do veículo é composta por chapas de três espessuras distintas. O serviço é prestado pela companhia desde 2004 e é também aplicado em peças e partes de veículos Hyundai, Volkswagen, Volkswagen Caminhões e Ônibus e Honda. A área de soldagem a laser instalada na unidade de Taubaté atende apenas às demandas do setor automotivo em três turnos.

 

Com os equipamentos instalados na unidade paulista – há outras em Pernambuco, Minas Gerais e Rio Grande do Sul – a empresa tem capacidade para cortar ou estampar de 23 mil a 25 mil toneladas de chapas de aço por mês. No setor de soldagem a laser são processadas 1,4 mil toneladas/mês.

 

Foto: Divulgação.