PSA cogita veículos Opel no Brasil

Imagem ilustrativa da notícia: PSA cogita veículos Opel no Brasil
Foto Jornalista  Bruno de Oliveira

Por Bruno de Oliveira

CompartilheCongresso AutoData
22/10/2019

São Paulo – O Grupo PSA considera a possibilidade de trazer ao mercado brasileiro veículos da marca Opel, que integra a companhia desde 2017 após ser adquirida da General Motors junto com a Vauxhall. Existe, no entanto, uma condição para tornar viável a empreitada – que seja alcançada a meta de aumentar de 2,5% para 5% a fatia de market share da empresa aqui, somados os volumes Peugeot e Citroën.

 

O vice-presidente de comunicação, relações externa e digital do Grupo PSA América Latina, Fabricio Biondo, afirmou que a companhia pode avaliar introduzir uma nova marca no mercado brasileiro, como Opel e DS, após alcançar a meta traçada para os próximos quatro anos, que é de chegar a 5% de participação. "A fatia de mercado tem de aumentar e, mais importante, ser uma operação com resultados positivos".

 

A empresa pretende lançar a Opel em mais mercados na América do Sul no ano que vem. Parceiros importadores na Colômbia, Equador, Peru e Uruguai passarão a receber modelos da marca que, no Brasil, é inédita, ainda que modelo Opel tenham sido vendidos aqui como Chevrolet. São os casos, por exemplo, do Vectra, baseado em projeto europeu Opel, do Monza, vendido nas versões hatch e sedã, e os monobloco Meriva e Zafira.

 

No mercado aberto do Chile os veículos Opel são comuns. Lá são vendidos os modelos SUV Crossland, Grandland e o Mokka. Há também na oferta do hatch médio Astra, o compacto Corsa e o furgão Combo. Todos os veículos são importados.

 

Enquanto a empresa trabalha para aumentar a participação no mercado com lançamentos, ocorre de forma paralela o redesenho do marketing para Peugeot e Citroën. Biondo disse que a empresa pretende aumentar a difusão das marcas de forma a distanciar os universos nos quais estão inseridos os modelos de cada uma:

 

“Apesar de termos marcas centenárias ou bicentenárias, como é o caso da Peugeot, aqui no Brasil são poucos conhecidas ou pouco lembradas pelo consumidor local. O posicionamento das duas marcas cada vez mais vão se distanciar. Peugeot e Citroën terão posicionamentos muito diferentes, cada uma em um território. A Peugeot no seu território de generalista topo de linha, e Citroën como uma marca focada no consumidor, com diversos atributos, dentre eles o conforto”.

 

Foto: Fábio Arantes.

 

Correção: A introdução de uma nova marca, seja DS, Opel ou Vauxhall, só será cogitada após alcançar os 5% de participação com Peugeot e Citroën. Não existe decisão tomada. O texto foi alterado para enfatizar que ainda é uma avaliação e corrigir que a Citroën será focada no consumidor, com diversos atributos, incluindo o conforto.