Setor de caminhões mantém estabilidade, apesar da covid-19

Imagem ilustrativa da notícia: Setor de caminhões mantém estabilidade, apesar da covid-19
Foto Jornalista  Bruno de Oliveira

Por Bruno de Oliveira

CompartilheBalanço da Anfavea
06/04/2020

São Paulo – Ainda que as montadoras tenham anunciado a paralisação total de suas linhas nas últimas semanas em função da pandemia de coronavírus, os números obtidos na produção de caminhões conseguiram se manter estáveis no trimestre na comparação com o desempenho registrado em igual período em 2019. Foram fabricadas 24,7 mil unidades ou 0,2% menos, segundo balanço da Anfavea divulgado na segunda-feira, 6.

 

Segundo Gustavo Bonini, vice-presidente da entidade, dois fatores contribuíram para o resultado. O primeiro é o perfil do consumo em março, que teve um início, segundo ele, “muito bom”. O segundo fator apontado é a demanda programada para o período, o que, sobremaneira, manteve os números de produção próximos aos registrados no trimestre do ano passado:

 

“Se tivéssemos mantido o patamar teríamos um março melhor por causa dos negócios já firmados que deram volume à produção no período. O segundo fator é que, diferente do que acontece com automóveis, quando a decisão de compra é influenciada pelo noticiário, as vendas de caminhões continuaram nos últimos dias por serem contratos de longo prazo, e isso refletiu na produção”.

 

Bonini disse, ainda, que é cedo para qualquer projeção a respeito de futuros reflexos da economia sobre o mercado de caminhões. Afirmou que o setor trabalha com a expectativa de que as demandas do agronegócio deem sustentação aos números de produção nos próximos meses:

 

“O fato de os serviços essenciais não terem parado também favorece o setor porque dá movimentação para a cadeia logística”.

 

A produção de modelos pesados, que representa maior fatia do volume produzido, caiu 0,5% no acumulado do ano até março: saíram das linhas de montagem no período 12,9 mil unidades. A produção de semipesados cresceu 13%, chegando a 6,4 mil unidades, e a de médios, 895 unidades, caiu 20%. Nos leves, 4,1 mil unidades, a queda foi de 11%, e em semileves, 243 unidades produzidas, de 1,6%.

 

Fotos: Divulgação