Montadoras produzem 4 mil caminhões na retomada de maio

Imagem ilustrativa da notícia: Montadoras produzem 4 mil caminhões na retomada de maio
Foto Jornalista  Bruno de Oliveira

Por Bruno de Oliveira

CompartilheBalanço da Anfavea
05/06/2020

São Paulo – O volume de produção de caminhões voltou a crescer em maio, mês em que a maioria das fabricantes retomaram as atividades nas linhas. Segundo balanço da Anfavea divulgado na sexta-feira, 5, no mês passado foram produzidos 4 mil veículos ante 403 em abril, quando a produção esteve paralisada. 

 

A base de comparação é baixa e o nível de produção de maio é o pior para o mês desde 1985, segundo a entidade. 

 

O resultado da produção, em maio, no comparativo com maio do ano passado foi 64% inferior: saíram das linhas mais de 11,2 mil unidades em 2019.

 

De acordo com o vice-presidente Gustavo Bonini o resultado é positivo considerando paradas e ânimo do mercado, uma vez que a retomada gradual ajudou as empresas a atender às demandas dos setores de papel e celulose e de mineração, que têm em maio momento de importante atividade setorial.

 

Com o resultado a produção nos cinco primeiros meses do ano chegou a 29,1 mil unidades, volume que representa queda de 36% ante igual período no ano passado.

 

Com a retomada gradual das linhas as empresas fabricantes têm pela frente uma outra grande demanda, que é a do agronegócio com vistas ao escoamento da produção de grãos -- que ainda não foi plantada, mas da qual se espera safra 3,6% superior na comparação com a anterior, 2018/2019, devendo somar, segundo projeções do governo federal, 250,9 milhões de toneladas.

 

Nesse sentido, segundo Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, as montadoras estão atentas às demandas e ajustes serão feitos nas linhas de acordo com elas. A maior preocupação do setor, no entanto, é com a capacidade da cadeia de fornecedores de acompanhar eventuais aumentos da produção: “O ministério da economia, o BNDES e outros bancos acertaram nas medidas de concessão de crédito às empresas como forma de fortalecer a cadeia de toda a indústria, não apenas a automotiva”.

 

Do total produzido até maio a maior parcela foi de modelos para o segmento de pesados, um volume de 15,5 mil unidades que representa queda de 38%. O segundo maior volume foi o de semipesados, 7,6 mil unidades, 25% a menos na mesma base de comparação. A produção de leves somou 4,5 mil unidades, terceiro maior volume produzido. A queda, no segmento, foi de 40%.

 

Foto: Divulgação.