Coronavírus pode adiar desfecho da Ford Taboão

Imagem ilustrativa da notícia: Coronavírus pode adiar desfecho da Ford Taboão
Foto Jornalista Bruno de Oliveira

Por Bruno de Oliveira

CompartilheEspecial
19/02/2020

São Paulo – Cerca de seiscentos trabalhadores da linha de produção da Ford Taboão seguem esperançosos com relação à venda da unidade para outra empresa que mantenha a produção de veículos na septuagenária fábrica de São Bernardo do Campo, SP. O problema é que a lista de entraves ao fechamento do negócio cresce com frequência.

 

....:::::: Especial ::::::....
Há um ano a Ford anunciava o fim da produção no ABC
A fila está andando em Camaçari
Prefeitura calcula perdas com a saída da Ford

 

Àquele considerado o maior revés dos funcionários, a saída da Caoa Montadora das negociações, e às condições do terreno sobre o qual está construída a unidade, outro grande obstáculo a um desfecho rápido para o destino das linhas, juntou-se outro item. E ele tem contornos biológicos: o coronavírus, ou Conavid-19, como foi rebatizado, deverá afastar o negócio do radar de investidores chineses.

 

Segundo Wagner Santana, o Wagnão, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o momento é de esperar que o tema do vírus, que chegou a afetar a produção global de veículos, perca força para, assim, aumentarem as possibilidades da compra da fábrica voltar à pauta de chineses que manifestaram interesse pela fábrica do Taboão, como é o caso da BYD e de outro empresa cujo nome, por ora, segue por trás do biombo corporativo.

 

“Depois que a Caoa desistiu do negócio os ânimos arrefeceram”, disse o presidente do sindicato. “Voltamos a acreditar em um desfecho rápido com o anúncio da BYD, mas logo na sequência, para o nosso azar, surgiram as primeiras notícias a respeito do vírus na China. Como as empresas interessadas são chinesas, acreditamos que eles tenham outras prioridades no momento.”

 

O presidente disse, ainda, que a expectativa, hoje, trata mais de estabelecer a torcida para que a unidade seja mantida como montadora de veículos. Este também é o desejo de Orlando Morando Júnior, prefeito de São Bernardo do Campo, que afirmou que está é sua prioridade até o fim de mandato, que se encerrará em dezembro.

 

De acordo com Wagnão, desde o fim da produção da fábrica, em outubro, cerca de sessenta ex-funcionários da Ford Taboão conseguiram ser realocados em outras montadoras instaladas no município. Os trabalhadores da área administrativa seguem ali até março, quando se mudarão para endereço na Vila Olímpia, em São Paulo.

 

Foto: Divulgação.