Impactos da pandemia chegam ao setor de máquinas

Imagem ilustrativa da notícia: Impactos da pandemia chegam ao setor de máquinas
Foto Jornalista Caio Bednarski

Por Caio Bednarski

CompartilheBalanço da Anfavea
08/05/2020

São Paulo -- As vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias recuaram 24% em abril na comparação com o mesmo mês de 2019 e 41,8% na comparação com março, de acordo com os dados divulgados pela Anfavea na sexta-feira, 8. Foi o primeiro mês em que o setor sentiu o impacto da pandemia da covid-19 no consumo por máquinas -- em março houve crescimento nas vendas, puxado pelo período de colheita. No primeiro quadrimestre foram comercializadas 11,9 mil unidades, queda de 4,6%, ainda assim bem menor do que a registrada em outros segmentos da indústria. 

 

Alfredo Miguel Neto, vice-presidente da Anfavea que responde pelo setor agrícola, confirmou que o volume menor de compra dos produtores é resultado da pandemia da covid-19: "Com o avanço do vírus o produtor está muito mais cauteloso em fazer investimento em bens de capital. Ele vai esperar e manter o caixa saudável para honrar pagamentos". 

 

Mesmo com o baixo resultado em abril, o executivo lembrou que a produção não parou durante a pandemia e, para os próximos meses, tem boas perspectivas para a colheita de grãos, especialmente a soja, que tem expectativa de uma nova safra recorde. Esses fatores, segundo ele, deverão ajudar na retomada do consumo por máquinas nos próximos meses. 

 

O setor de construção já não tem as mesmas perspectivas para os próximos meses, segundo Miguel Neto, que revelou que a demanda por máquinas já estava em queda antes da pandemia, cenário que deverá se estender. 

 

A produção também foi afetada e as fábricas ficaram paradas, em média, vinte dias. O resultado de abril foi 60,3% menor do que o do mesmo mês de 2019, com 1,8 mil unidades produzidas. Com relação a março a queda foi de 59% e, no acumulado do ano, a retração foi de 20,6%, com a produção de 12,1 mil unidades. 

 

Foram exportadas 477 máquinas em abril, volume 62,1% menor do que o de abril de 2019. O executivo justificou a queda pelo avanço do vírus em outros países que são parceiros comerciais importantes, como Argentina e Estados Unidos. No acumulado do ano os embarques somaram 2,8 mil unidades, retração de 28,5%. 

 

Eventos -- Questionado se o adiamento das feiras do agronegócio poderá afetar as demandas, o executivo destacou a importância dos eventos, mas admitiu que, no cenário atual, não deverão ocorrer por causa da grande aglomeração de pessoas. 

 

No caso da Agrishow, maior feira do setor que é realizada em Ribeirão Preto, SP, e foi adiada, o executivo não confirmou se o evento acontecerá esse ano em uma nova data. Mas adianto que, caso seja realizada, as marcas associadas à Anfavea não participarão: "É hora de repensar esse formato de evento e, por causa do cenário atual, temos que encontrar outras maneiras de apresentar nossos produtos, como transmissões online".

 

Foto: Divulgação.