Schaeffler de olho em demandas da eficiência energética

Imagem ilustrativa da notícia: Schaeffler de olho em demandas da eficiência energética

São Paulo – Políticas setoriais recentes trouxeram à tona a eficiência energética veicular, e as fabricantes de motores e componentes para powertrain passaram a oferecer, ao mercado brasileiro, tecnologias dedicadas ao menor consumo de combustível. Após a onda dos motores três cilindros, durante a vigência do Inovar-Auto, vieram os turbocompressores e, mais recente, com o Rota 2030, os primeiros passos do sistema start-stop. Chegou a vez do VCR, o sistema de variação de taxa de compressão.

 

A Schaeffler finalizou no ano passado o desenvolvimento de componente por meio do qual é possível controlar o percurso do pistão dentro das câmaras de combustão do motor. No sistema convencional utilizado pela indústria automotiva o pistão se desloca sempre no mesmo curso – subindo e descendo –, comprimindo a mistura de ar e combustível. O deslocamento é o mesmo independente da carga do motor. Regulando esse movimento em função da carga, papel do VCR desenvolvido, é possível reduzir o consumo do combustível.

 

O componente foi desenvolvido pela matriz da companhia, na Alemanha, em conjunto com fábricas nos Estados Unidos e no Brasil, que ficou responsável pelos testes eletromagnéticos. Após a fase de desenvolvimento o componente entrou em série nos Estados Unidos para atender demanda de montadora de origem japonesa, disse, sem entrar no pormenor, Cláudio Castro, diretor executivo de pesquisa e desenvolvimento da companhia na América do Sul.

 

No Brasil, por ora, a Schaeffler mantém conversas preliminares com montadoras que possuem no horizonte a produção nacional de novas famílias de propulsores. Isso porque, contou Castro, ainda que o VCR tenha sido desenvolvido para motores convencionais “são necessárias modificações no bloco do motor para a aplicação do componente”.

 

O executivo disse, ainda, que as montadoras deverão prestar atenção à nova tecnologia em fase posterior à inicial do Rota 2030, uma vez que é um recurso de desenvolvimento recente.

 

Foto: Divulgação.